sábado, 22 de dezembro de 2012

expectro...

inquieta noite
que mãos penetra
em sempre ontens,
quase hoje

lança-me
frases apagadas
e minha face
navalha...

não fossem
ontens, um nada,
não sangraria, eu,
tantas palavras

sabe a noite
e como sabe,
descamar
minha carne

ah, meros
queros, pele
pés, joelhos
pretérito...

meros
sempre meros
nunca olhos
nunca elos

segue a noite
sigo a noite
só, cega
in ...versa

Um comentário: