quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

hoje

queria deixar
para amanhã
a poesia e o
poema

mas há urgências
nas letras, nas luas
que sabem-se nuas
e oferecem a rima

queria deixar
para depois o espasmo
dos olhos e o quente
dos dedos

mas há silêncios
entre as palavras
que sabem-se
no cio

sábado, 2 de dezembro de 2017

mas...

além de mim
o corpo que jaz
cansou-se
do tanto faz

e não é mais...

das colheitas...

foram tantas as pedras
enfiadas goela abaixo
fingindo ser flores

um dia, fizeram-se pétalas
e no meio do peito, abriram-se
em dores

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

além

ainda é cedo
para tantas
prisões

quero abrir
as vozes de dentro
dos portões

e sussurrar:
por que não?

domingo, 19 de novembro de 2017

ruídos

sempre soube
que entre nós
só haveria
ontens...

e que os amanhãs
não teceriam lonjuras
aos desejos amorfos
do que não houve

e ainda assim
eu te ouço...

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

abstinências

das coisas
que transpassam-me
a alma

umas alumbram
meus ossos e fustigam
meus olhos

outras na pele
deixam-me restos e
rastros

e há aquelas
na língua e na goela
tão amaras

tantas e quantas
nos elos, nas eras
espreitam-me

e tudo que querem
são palavras, palavras
e palavras

e por vezes
apenas, calo-me...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

frações

e quando
resolvi-me
inteira...

não mais
esperei olhos
alheios

aceito-me assim
ao meio...

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

pendências

nos ombros
da tarde

a insônia
dos sonhos

o deboche
do sol

e olhos
de ontens...

domingo, 12 de novembro de 2017

sábado, 11 de novembro de 2017

de olhos fechados

e num sol escancarado
sem máculas, só pecados
de castigos sem chicotes
só corpo, cruz e amarras

vive a clave, a luz, a nave
ainda menina, ainda eva
das veias, das vaias
das saudades,

e se nele, no sol, não te acho
fujo para as sombras do passado
só para no vazio do ontem
te encontrar....

te encontrar
e te encontrar...