quarta-feira, 1 de julho de 2020

dos jogos

há cinzas nas quartas
há silêncios na carne

um féretro
de inúteis palavras

que vogam
que ardem

e vagam

sexta-feira, 26 de junho de 2020

tato

a página que me espera
por tanto tempo estéril
abre os olhos e as ancas

pronta para o parto
pronta para o adultério

mas, não fosse o tempo
meu senhor de tantas eras
teria eu palavras para outros versos

sem o vazio das letras manchadas
pela pele, pela fuga, pela seca

num êxtase e aborto
de minhas preces...


terça-feira, 23 de junho de 2020

às cegas

quando criança
não tinha uma palavra
para a morte

só um vazio
entre a alma e
os ossos

tateava as perdas
entre os véus do tempo
e a fome de um nome...


quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

outrora

espero

outras portas
outros portos

outros olhos
outros corpos

quero
uma outra hora

um tempo
que não me feche o cenho
não  me esconda as senhas

e não me dite
nuncas ou sempres...

aguardo
o talvez, o quase

que me tire do sério
que não me cobre nada

e me leve, bem de leve

embora...

sábado, 25 de janeiro de 2020

imagens

aos sábados
o cansaço dos vocábulos

deságua

sob o açoite
das metáforas...

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

entre aspas

às sextas, a euforia
toma posse dos ares

o burburinho das ruas
o colorido das palavras

mostram-me o quão
sou intrusa

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

desalinho

as quintas
vaticinam destinos
 
passos perdidos
num labirinto

e aquele escarnio
dos deuses sorrindo

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

fase

às quartas
as trancas se abrem

são quartos e luas
mostrando suas faces...

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

rotina

às segundas
o relógio não ergue
os olhos

só segue e segue
o tempo que o tempo
devora....