quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

provocações

há vícios abertos
à espera das entrelinhas
dos versos, só para
exibirem-se aos olhos
da poesia

e por um momento
sentirem do poeta
os dedos, os ossos
as veias, a carne e
os gestos...

e depois...
depois cuspirem
ao chão suas cascas
suas casas e suas
palavras

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

indulto

diz-me
em que momento
deixaste de ser
doce e único

diz-me para que servem
essas tantas janelas tuas
se nenhuma te mostra
minhas angustias

diz-me porque
usar de simulacros e dúvidas
se podes pousar teus olhos
em meu luto

diz-me
sem medo, sem censuras
onde escondes teu vulto
e minha cura...

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

quimera

quem dera despertar
do outro lado do jogo
sem medo e cara a cara
com o novo...

não quero mais
obedecer aos meus pés
não quero mais
calçar o que não me cabe

quero parir navalhas
e arrancar da carne
a subserviência das
pedras...

sábado, 3 de fevereiro de 2018

fuga

no outro
lado da lua
faça sol ou
faça chuva
palavra e poeta
procuram-se
nus

ah... nuvens

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

dos credos

num rosário
de eras, pérolas
e pedras

e esses tropeços
pendurados em
esperas

ainda rezam...

domingo, 21 de janeiro de 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

sonho

e esse tempo
a me cobrar
a vassoura
a louça
a roupa

e eu fazendo
ouvidos moucos
a doida
a louca
a outra

fingindo ser
do relógio,
a dona...

domingo, 7 de janeiro de 2018

heresia

antes que o tempo
te leve para mais
longe

antes que as palavras
percam-se nos olhos
do silêncio

permita-me, permita-se
que nossas almas toquem-se
além das ruínas

e desaguem
no gozo de uma
quase poesia...

sábado, 23 de dezembro de 2017

medo

dentre os ruídos insones
ouço o ranger de velhos
e desfigurados nomes...

presos 
no espelho do tempo
não sabem-se mortos

e se a eles 
ofereço letras, mais e mais 
me consomem...

domingo, 17 de dezembro de 2017

sempre

há quases
que erguem
muros além
das palavras
que insisto
serem versos

há quases
que abortam
pelas frestas
sonhos
que insisto
serem gestos

e visto-me
e sirvo-me
de restos...