terça-feira, 11 de março de 2014

casulo


ando arrebentando casulos
e deles bebendo o expurgo
que abuso...

eis o meu pecado
afiar letras como adagas
e sangrar em metáforas

ando flertando com absurdos
com sonhos idos e já sem uso
que loucura...

eis o meu desafio
dar asas às palavras, e não...
enterrá-las no escuro

almma

Um comentário: