sábado, 24 de novembro de 2012

se...



se eram do tempo
as facas da saudade
eram das mãos, letras
palavras inacabadas....

se era da agonia
o fio de um quase
era do sempre
o nunca aos pedaços

se era da ilusão
o feto ainda vivo
eram do desprezo
sonhos assassinados

se era para ser
menos do que um esperar,
morreu antes de nascer
aquela poesia no ar

Um comentário: